segunda-feira, 25 de maio de 2009

dinheiro




É sempre bom ler dicas de conversão e câmbio antes de viajar, é nessas horas que as pessoas se sentem mais perdidas.

Abaixo, algumas diquinhas, espero que ajude:


Dinheiro vivo
Não leve todo o dinheiro em "cash". O bom é calcular um terço do valor total para levar em dinheiro vivo. Faça a conversão antes de ir, para não perder duas vezes com o câmbio, no caso de estar indo para um país cuja moeda seja diferente do dólar ou do euro.
Cartão de crédito
A fatura é calculada com o câmbio do dia de seu fechamento. Com isso, o cartão poderá dar sustos como ir viajar com o dólar a R$ 2,00 e pagar a conta com o dólar a R$ 2,40. Outra desvantagem são as taxas cobradas pelas bandeiras e a cobrança de imposto de 2,5% .A vantagem é que estabelecimentos comerciais no mundo inteiro aceitam sua utilização. E empresas de aluguel de carro e hotéis costumam pedir a apresentação de um cartão de crédito para o bloqueio de determinada quantia, usada como garantia de pagamento ou cobertura de extras.
Visa Travel Money
É um cartão de débito pré-pago, recarregável, que pode ser adquirido em dólares e euros.A vantagem é que o viajante fecha o câmbio no dia em que carregou o cartão. Com isso, não está sujeito a variações cambiais.
Bom lembrar que no Visa Travel Money há uma cobrança de 0,38% de IOF na hora da compra da moeda e uma taxa de R$ 2,50 por saque, independentemente do valor.
Para carregar o cartão, é preciso fazer um DOC ou TED para a empresa, e o valor correspondente em dólares ou euros é liberado.
Traveler cheque
Os cheques de viagem são trocados por dinheiro, em instituições financeiras de vários países, pela taxa de câmbio do dia.
É preciso atentar às taxas cobradas sobre o valor trocado, que podem chegar a 10% em países como Argentina e Chile. E ter certeza que para onde vc vai aceita cheques de viagem.
Como vantagem sobre o dinheiro em espécie, tem a possibilidade de reembolso pelo banco no caso de perda ou roubo.
Na maioria das instituições financeiras, eles só são aceitos com a apresentação do passaporte e com a assinatura do cheque na frente do caixa.
Além de travelers cheques em dólares americanos, há em dólar australiano, dólar canadense, euro, franco suíço, libra esterlina e iene.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

As meninas e o Peru

DEPOIMENTOS DE VIAGEM DE CLIENTES MAIS QUE ESPECIAIS:
POR WANESSA



Um espetáculo de Peru

A idéia da viagem para o Peru surgiu a partir de uma conversa entre duas amigas no MSN que, até então, só tinham se visto pessoalmente duas vezes. Depois, ‘a terceira elementa’, que,a princípio só conhecia e era amiga de uma das viajantes, ao ouvir a conversa desta com sua agente de turismo, decidiu, quase que em cima da hora: eu vou nesta viagem.
Então fomos todas, felizes e satisfeitas, alcançar o Peru.

Chegamos em Lima e fomos recebidas com uma placa simplista, como se fôssemos priminhas do Presidente Lula, com o responsável pelo transfer com o nome de uma das meninas escrito naquela plaquinha típica , seguido do sobrenome “da Silva”... Primeiro “Peru-fora”, eis que a “da Silva” original preferiria que fosse utilizado seu outro sobrenome. A partir de então, viramos “as da Silva” no Peru. As “da Silva” estão prontas para o city tour? Para o passeio no Vale Sagrado ou em M. Picchu?
Obviamente que não faltaram piadinhas e brincadeiras com os nomes Peru (as “da Silva” chacoalando o Peru Mágico...rs) e Cuzco..rs...

Seguem aqui algumas dicas das “da Silva” para os leitores deste blog.Glossário: Peru fora (o que é ‘out’ e/ou não vale a pena) e Peru super-dentro (o que é ‘in’ e/ou vale muito à pena)

LIMA-
Restaurantes: 1- CALA (no bairro Barranco). Peru super-dentro. Fica num lugar super agradável, à beira-mar. De preferência, fique na varanda para desfrutar da vista. Excelentes pedidas: risoto de camarão com lagostins, açafrão e parmesão. Sobremesa: canutilhos de chocolate com creme de banana e sorbet de morango. Todos os pratos e bebidas com linda apresentação. Fomos no almoço e voltamos à noite para um drinque no lounge (ou melhor, uns drinques.) 2- HUACA PUCCLANA (em Miraflores)- Peru super-dentro. Restaurante lindíssimo, com vista para uma ruína. Fomos para um almoço especial, na semana gastronômica do restaurante. Coem Comida divina. Dizem que é mais bonito à noite, em razão da iluminação e vista das ruínas. Vale a pena pedir mesa na varanda.
Passeios – Vale a pena fazer um city tour para visitar a chamada Lima Colonial (Plaza de San Martin e Plaza das Armas, onde ficam a Catedral , o Palácio do Governo, Igreja de São Francisco e Parque da Muralha, e também os bairros de Miraflores (Parque do Amor – Peru super-dentro...rs...), San Isidro (Parque das Oliveiras – lindo, também Peru super-dentro).
Comprinhas – Para artesanatos: Indian Market


CUZCO-
Restaurantes: 1- INCANTO. Delicioso. Tem um ossobuco com massa divino. O fettuccine Alfredo e o penne caprese também estavam ótimos. Vale a pena também comer o suspiro a la limeña, de sobremesa. Dos deuses, ou seja, Peru super-dentro.
2- CICCIOLINA- Simplesmente fantástico.Peru super-dentro. Serve tapas maravilhosos, no bar (os melhores: de hommus, de lula frita agridoce, espeto de carne, cream cheese com tomate seco). O risoto de frutos do mar é um espetáculo.
3- BACO- tem o mesmo chef e parece que é dos mesmos donos do Cicciolina.
4- Pub Daddy’s. Tem uma sopa de legumes deliciosa.

Night: boates em volta da Plaza de Armas (nomes de algumas: Mamma África, Inkateam, Mithology). Não se paga nada para entrar. As pessoas ficam circulando em todas a noite inteira.

Dicas:
Peru-fora: 1- excesso de Pisco Sour, bebida típica peruana. Melhor evitar essa ressaca (rs...)
2- Os ‘nativos’ oferecendo artesanato a um preço e reduzindo depois, em alguns casos, até a metade, após uma chata pechincha. Evite estabelecer contato visual com os vendedores ambulantes e com os panfleteiros das portas das boates em Cuzco. Uma vez estabelecido contato visual, não vai conseguir se livrar deles. Conselho: trace uma linha reta e não desvie o olhar..rs
3- fizemos o passeio para Macchu Picchu saindo e voltando no mesmo dia. Achamos meio corrido.

Peru super-dentro: Além das dicas mencionadas acima...Passeio pelo Vale Sagrado, com suas paisagens lindíssimas. Macchu Picchu. Vale a pena comprar anéis, pulseiras de prata nos mercados, mas atenção à qualidade. Para um design diferenciado procure a loja da Claudia Lira, em Cuzco ou Lima... São bem mais caras.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Para quem vai...



Dicas para quem esta indo pra B.A. e pra quem irá a qualquer hora, pq tem que ir, é aqui do lado ora, é baratinho...

HOTEL:FAENA HOTEL = MARAVILHOSO , O MÁXIMO !
http://www.faenaexperience.com/

RESTAURANTES:


Freddo -SORVETE- O MELHOR É DOCE DE LEITE
CASA CRUZ - Aberto em dezembro de 2004, o restaurante de Juan Santa Cruz é hoje, definitivamente, um dos melhores e mais exclusivos restaurantes de Buenos Aires.

RESTÓ- dentro da Sociedad Central de Arquitectos ="Restó" é uma palavra genérica pra restaurante em Buenos Aires. O lugar é pequeno, por isso é bom fazer reserva. Não é especialmente bonito, não é badalado, não tem gente bonita. É pra quem cavoca mesmo.
Restó - Sociedad Central de ArquitectosRua Montevideo, 938 - Buenos Aires54-11-4816-6711

LUGAR BADALADO-
Gran Bar Danzón - que serve ótimos vinhos em taça a partir de 5 pesos (Libertad, 1161, entre Santa Fé e Arenales).


SUCRE - OOOTTIIIMMMOOO- um loft modernérrimo que fica para lá de Las Cañitas, a 20 minutos de táxi do Centro (Sucre, 676, entre Castañeda e Alcorta).


CLUB 69- pra dancar, o lugar é louco, como todo tipo de gente e de som, muito bacana.


LELÉ DE TROIA- DIFERENTE ! bairro palermo - Costa Rica 4901


GIOIA-
Palacio Duhau Park Hyatt, donde no seu interior encontra-se o Gioia
Av. Alvear, 1661 - Palacio Duhau Park Hyatt- CHIQUETERRIMO !!!

COMPRAS-
Buenos Aires Design (Av. Pueyrredón esquina Av. Libertador), que tem a maior coleção de lojas especializadas em design e decoração da cidade.
Av. Alvear -- a mais chique da Recoleta, com lojas como Hermès (no. 1981), Zegna (1920), Versace (1901), Polo Ralph Lauren (1780), Louis Vuitton (1751), Emporio Armani (1750), Kenzo (1551) e Nina Ricci
O shopping mais sofisticado da cidade, o Patio Bullrich (no. 1257), que mistura grifes internacionais com lojas locais mais acessíveis. Mas eu gosto do GALERIAS PACIFICO- Peatonal Florida y Av. Córdoba .
Para lojas alternativas, cafés e restaurantes transadinhos:
Neste caso, seu destino é Palermo Viejo, a pouco mais de 10 minutos de táxi da Florida. Peça para descer na Plazoleta Cortázar, na confluência das calles Borges e Honduras.
A Calle Honduras funciona como a rua principal do bairro. Acima da praça (numeração crescente), suas transversais estão pontilhadas de cafés, bares e restaurantes. Para baixo da praça (numeração decrescente) é maior a concentração de lojas.

O Paseo Alcorta tem jeitão de mall dos Estados Unidos, com pé-direito alto, muita luz natural e uma Emporio Armani novinha. O Galerías Pacífico fica no coração da Florida, tem bem menos opções de lojas, mas vale uma olhada pela belíssima arquitetura européia - parece uma miniatura da Galeria Vittorio Emmanuelle de Milão.
TANGO- vá no do faena hotel- precisa de fazer reserva.
ROTEIROS E PASSEIOS : a cidade de Buenos Aires tem um excelente site oficial de turismo, inclusive com conteúdo em português. No site estão disponíveis vários percursos pré-determinados por bairros e ruas interessantes da cidade.

GUIA DE RESTAURANTES, OTIMO -Guia Óleo, um excelente guia de restaurantes que fornece endereços, fotos e avaliações dos locais.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Algumas dicas da Cidade do México




Nova York é a menos americana das cidades; São Paulo não representa o Brasil tropical; Tóquio não espelha o Japão profundo. No entanto a Cidade do México consegue ser, ao mesmo tempo, uma metrópole internacional e o resumo do seu país.
No primeiro dia, faça o que todo mundo deveria fazer ao chegar não à cidade, mas ao país: visitar o Museu de Antropologia, no Bosque de Chapultepec. Aqui, sim, vale a pena contratar um guia (10 dólares; trate na entrada) e encaminhar a aula para cobrir todos os sítios arqueológicos que você visitou ou ainda vai visitar. O tour básico termina na Sala Mexica, dedicava à civilização que foi subjugada pelos conquistadores. Aprenda essa: o nome politicamente correto dos aztecas agora é “mexicas” (com "x" pronunciado à portuguesa, como em "xícaras"). Porém: o estádio onde o Brasil foi tricampeão continua se chamando Azteca.De lá, vá bater perna nos dois bairros chiques que margeiam o bosque: Polanco (a "Recoleta" da Cidade do México, com lojas de grifes internacionais e hotéis de luxo) e Condesa (o "Palermo Viejo" do pedaço, com lojinhas de vanguarda e restaurantes bochinchados

O segundo dia pode ser totalmente típico – uma excursão às pirâmides de Teotihuacán, com uma providencial parada no santuário da Virgem de Guadalupe.
Mesmo escolado em pirâmides, subir os 242 degraus da Pirâmide do Sol e, lá de cima, contemplar a majestosa Avenida dos Mortos, è catártico. Já a parada para a ver a Virgem revela-se uma inesquecível experiência antropológica de tons kitsch.
Na volta, aproveite o entardecer para ir ao Zócalo – a imensa praça central da cidade, onde grupos de malucos encenam danças aztecas inventadas nos anos 80.

Termine a noite na hilária (mas perigosa; vá de táxi) Praça Garibaldi, onde grupos de mariachis zanzam em busca de quem contrate seus serviços (uma música = 7 dólares).
Para fazer o programa mais ortodoxo possível, entreino Salón Tenampa, o mais antigo da praça. Escolha um tequila e espere os mariachis virem à mesa.( Pedi "Cielito Lindo" – a canção mexicana cujo refrão em português virou "Ai, ai, ai, ai, tá chegando a hora...". Pela reação dos músicos, vi que ninguém costuma pedir essa música. Então expliquei aos mariachis as circunstâncias em que essa música é cantada nos nossos estádios de futebol. Eles riram e então tocaram: "Ay, ay, ay, ay, canta y no llores..."Na saída, passe no vizinho Mercado San Camilito, repleto de restaurantes populares (mesas de fórmica, toalhas de plástico) desafie, agora, com um pozole, sopa com carneiro. Nham!

O terceiro dia pode ser cultural: a vez do circuito Diego-e-Frida, a dupla que faz companhia a Sartre-e-Simone e Rodin-e-Camille no panteão de casais de artistas mais célebres da história.
Faça a peregrinação como se deve: a primeira parada no arborizado subúrbio de San Ángel, onde está Museu-Estúdio Diego Rivera, mantido como se o grande muralista ainda morasse ali.

De lá, pegue um táxi para o bairro vizinho de Coyoacán, onde a casa em que os dois dividiram por décadas tornou-se o visitadíssimo Museu Frida Kahlo. Com tantos auto-retratos a nos olhar, a impressão que se tem é que Frida ainda leva a sua conturbada vida por ali.
Quando volter à calçada, a placidez de Coyoacán parecerá irreal. Vá caminhando algumas quadras e chegue à Plaza Hidalgo, onde todo fim de semana acontece uma feirinha. Entre no clima de cidadezinha de interior e aproveite para tomar uma "nieve" – o sorvete caseiro mexicano.
...
ENRIQUEÇA SEU MEXICANOL
Antojos = petiscos
Anteojos = óculos
Pase Usted = entre
Alberca = piscina
Comida = almoço
Orden = porção
Recámara = quarto de dormir
Refresco = refrigerante
Aguas = refrescos de frutas
Mineral = água com gás
Licuado = milk-shake
Huitlacoche = trufa mexicana
Plátano = banana
Banana = banana
boatCamión = ônibus
Tabla de cuerpo = bodyboard
Jitomate = tomate mexicano
Palomitas = pipoca
Palomitas de micro = pipoca de microondas
Nieve = sorvete artesanal
Mini Super = mercadinho
Quetzalcóatl = deus mais importante
Popocatépetl = vulcão mais importante
Tenochtilán = cidade que originou a Cidade do México
Torta = sanduíche
Panqué = torta
Hot cake = panqueca doce
Pan dulce = bolo
Dona = donut
Cacahueta = amendoim
Botana = tira-gosto
Chavo = um cara
Chava = feminino de chavo
Mexicas = como os aztecas se chamavam (o “x” como em “xará”)
Aztecas = como os espanhóis chamaram os mexicas
Barbacoa = churrasco
Arrachera de res = filé baixo
Chile = pimenta ou pimentão
Chipotle = a pimenta mais ardida
Habanero = chile mais forte que o chipotle
Moctezuma = Montezuma

**Imagens e informações retiradas do viaje na viagem de Ricardo Freire

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Peru ao seu alcance

O destino escolhido pra falar agora é o Peru!Estive esses dias envolvida com uma venda deste destino para gente muito especial e acabei me interessando e aprendendo(vantagens da profissão) um pouco mais sobre esse lugar sedutor.
Vou tentar repassar algumas dicas de Lima, Cusco e Machu Picchu.

LIMA-A Capital
Tradicional Cidade dos Reis, fundada em 1535, porta de entrada do país.Em Lima é possível comprar artesanato da melhor qualidade.
Dicas de programas:
Barranco- bairro boêmio e de artistas, noites cheias de diversão e espetaculos musicais.
Miraflores-infra-estrutura moderna com importantes hoteis, restaurantes e agito noturno.Surf é praticado em suas praias e também voos livres.
Santiago de Surco- adegas vitivinículas existentes desde príncipios do século passado.

CUSCO- O Centro
Capital Arqueológica da América.Seu nome em quéchua sigifica "centro do mundo", por ter sido a capital do império.
dicas de programas:
A Catedral- Igreja da Companhia Convento de Santo Domingo.
Bairro de San Blas- Bairro de artesões.
Vale sagrado- Destacam-se as zonas arqueologicas de Pisac e Ollantaytambo.
Rua Hatun Rurniyoc- um muro inca que inclui a celébre pedra dos 12 angulos.
Parques arqueológicos- de Sacsayhuanán, que inclui Kenko, Puca, Pucará e Tambomancha.

MACHU PICCHU- A cidade perdida dos Incas

Rodeada pr um silêncio mágico, a 120 km de Cusco, sobre a vertente do rio Urumbamba.Lugar místico, gerador de energia (2 400metros de altitude) é admirável pel solidez das edificacões e o equilibrado uso do espaco.Seu nome provém do quéchua, que significa montanha velha.Totalmente construída de pedra,aproveitando todos espaços em harmonia com a funcionalidade.

Dicas de programas:

Banhos Termais- De aguas calientes, situados a 800m do povoado de Machu Picchu.Monte Huayna Picchu(montanha jovem) a 2 667 m de altitude.Quem deseja subir deve se registrar no posto de controle situado no seto Roca Sagrada.Use tênis e leve água.


A Viagem vai começar?

"Bora"lá então:

Documentos:

-Passaporte

-Dinheiro

-Vacina febre amarela (deve ser providenciada com 11 dias ou mais de antecedência)

-Cartão de crédito internacional

E Lá?

Língua Oficial:Espanhol, Inglês e línguas nativas.

Aréa total:1.285.220 km quadrados.

Populacão:28.675.628

Moeda:Nuevo Sol(Novo Sol)

Fuso Horário:- 2 horas de BSB

Cod. Telefônico:51

E ...

É necessária uma adaptacão;Evite esforco físico durante as primeiras horas;Consuma alimentos de fácil digestão e beba mate de coca para evitar mal estar;Visite somente aréas autorizadas;Não interfira nas atividaes de pesquisadores;Não estabeleca contato com habitantes nativos(ficou antipática essa dica,né?Mas foi o q me passaram);Não colha especie de fauna e flora.

Aproveite muito e me escreva contando!

domingo, 22 de março de 2009

dicas de Mendoza



**Impressões e dicas de Ana Paula Alvares

Fomos para Mendoza, Argentina, em agosto de 2008.
Chegamos no hotel, todos mortos de cansaço e pedimos à guia, Andréa a indicação de um bom restaurante para começarmos a nossa corrida gastronômica!
Ela nos indicou o Francesco e fomos à pé mesmo.
Uma delícia andar pelas ruas, com aquele friozinho gostoso!
Ficamos apaixonados pelo restaurante, a comida estava divina e o ambiente super agradável.
E aí começou nossa viagem por Mendoza, aos pés da Cordilheira dos Andes, região que produz 70% da produção de uvas e vinhos da Argentina.
No dia seguinte subimos a montanha.
A paisagem era de tirar o fôlego, o frio às vezes intenso e outras vezes o calor vinha com tudo
.

Sol, muito sol.
Passamos o dia todo lá e confesso que foi uma canseira danada!
Almoçamos em um restaurante lindo, com neve por todos os lados.
Depois subimos mais ainda e chegamos ao Parque Nacional do Aconcágua, na divisa com o Chile, e vimos o pico do Aconcágua de perto, a 6.659 metros do nível do mar.
É o pico mais alto do continente americano.
Lindo!
Mais o dia ainda não tinha acabado e fomos conhecer um lugar lindo.....a Ponte do Inca.
“Pouco antes da fronteira com o Chile, há um povoado onde está a “Ponte do Inca”, um local místico, onde -conta a lenda- uma tribo inca precisava salvar um integrante de uma doença e, para isso, tinha de atravessar uma ponte que nunca havia sido tocada antes. Segundo a história, ao passar para o outro lado, o inca foi curado.
Próximo à “ponte”, formada por uma imensa rocha, existem lagoas de água (pasme!) quente.
Embaixo da ponte, por onde passa um riacho, existe um prédio onde funcionou uma termas, com sauna e banhos quentes, de um hotel, destruído por uma avalanche.
Mais à frente da ponte -e um passeio rende, aos desavisados, cardíacos e sedentários, uma breve falta de ar- está uma igreja, construída no complexo do gradioso hotel em 1910, “sobrevivente” da avalanche (1965), intocável, onde se celebram atualmente algumas missas para militares que vivem em acampamento próximo.
MARCELO BARTOLOMEI Editor de Entretenimento da Folha Online
Devido à avalanche, o hotel foi totalmente destruído e morreram mais de 30 pessoas.
O "resto" do hotel continua lá, pertinho da igreja.
Realmente é um lugar lindo, pode-se ver a fumaça saindo das pedras.
E a gente olhava ao nosso redor e neve por todos os lados!
De tirar o fôlego.
Fechamos o passeio com chave de ouro!
No outro dia visitamos 3 bodegas –vinículas.
Viajar a Mendoza é fazer um tour gastronômico.
Muita comida da melhor qualidade e os vinhos..... a princípio achei que fosse chato conhecer uma vinícula, quem dirá, 5. Mais é muito bom!
Aprender algumas coisas que nem imaginávamos sobre os vinhos, aprender como degustar um bom vinho é uma experiência, no mínimo, interessante.
Neste dia visitamos a Norton, Zapatta e Lagarde.
As duas primeiras nos impressionaram pela quantidade de barris e pela beleza. Dava vontade de morar lá dentro, tudo tão lindo, arrumado e chique!
Na vinícula Zapatta, a disposição dos barris e a beleza nos deixou de bocas abertas.
Aquela penumbra torna tudo ainda mais interessante.
Apesar de que... fomos a uma parte da Norton e vimos um mundo de garrafas, sujas de poeira.
E eu e a Dani, na mesma hora, comentamos que se tivéssemos ali um paninho com alcool, limparíamos na hora, estava dando nervoso na gente!
E a guia explicou que as garrafas não podiam ser tocadas e nem limpas naquele estágio porque tudo contribui para o sabor do vinho.
Tem vinhos que ficam amarzenados nos barris durante 1 ano e 2 meses!
Depois de cada visita, íamos degustar os vinhos, aprender como distinguir um vinho do outro.
O legal é que trouxemos várias garrafas e o primeiro que abrimos, demoramos uma meia hora para começar a tomar, lembrando de tudo que nos foi passado e rimos muito. Achando (só achando), que já somos grandes entendedores do babado.
Depois das visitas seguimos para um restaurante, antes de irmos para o hotel.

O restaurante era o Cava de Cano.



Se você já foi a Mendoza e não conheceu, vai ter de voltar.
Foi a melhor parte da viagem.
Já estava incluído no pacote de viagem, então fui como quem estava indo para um restaurante comum, sem colocar muita fé.
Chegamos e nos deparamos com algumas casas, parecia uma fazenda.
Uma cor maravilhosa, muitas árvores, ficamos encantados.
Tudo bem rústico.
Fomos levados até uma escadinha e fomos parar em um porão.
Sim, um porão, sem janelas, somente com um ar condicionado.
Quando entramos no porão, havia uma mesa cheia de porções e tudo somente para nós.
Ficávamos igual crianças, experimentando de tudo um pouco -era um total de 34 porções, mais 2 tábuas de frios, vários tipos de pães, e depois foram servidos 4 pratos quentes- e abobados com a arquitetura do lugar.
Detalhes: linguiças de todos os tipos penduradas nas paredes, um peixe de madeira enorme como cabide para as bolsas e várias porções de doces, feitos pelo restaurante.
O garçon vinha, servia tudo e depois subia uma escadinha de madeira bem velhinha que dava para a cozinha.
Tinha uma câmera nos filmando e depois devem ter rido muito porque estávamos parecendo bobos, de boca aberta.

Depois de comer horrores, saimos para o "quintal" do restaurante para a sobremesa- um sorvete maravilhoso, com doce de leite (na Argentina tudo tem doce de leite), bolacha e uma calda deliciosa.
Ficamos lá mais um bom tempo, com um solzinho gostoso para espantar o frio, rindo, conversando com a vida que pedimos a Deus!
Poxa, nós não queríamos ir embora!
No último dia de viagem Fomos conhecer mais 2 vinículas: Navarro Correas e Família Zucardi